Psicologia

Não seja apenas humano, seja extraordinariamente humano

A força da vontade contribui para a formação de um grande ideal na vida do ser humano. Ouve-se que todos devem “escrever um livro, plantar uma árvore e ter um filho”, entretanto o homem carrega consigo sonhos ainda maiores. Muitos se esforçam em ter uma vida longa e saudável na tentativa de acrescentar mais anos à sua vida e se esquecem que o mais importante é a presença da vida nos seus anos.

O homem que sabe viver bem faz escolhas sábias e alcança, decididamente, os seus sonhos. Para tanto, será necessário que aplique uma vontade firme para seguir os seus objetivos. Diferentemente dos desejos que vêm e, logo, vão, a vontade permanece como a força mais poderosa que age sobre o universo.

A decisão que acompanha a vontade deverá ser expressa por meio da perseverança. A perseverança ajuda a manter o ritmo para que se alcance um objetivo, isto é, definido o ponto onde se quer chegar, o homem precisará empreender esforços para torná-lo realidade.

A perseverança é o motor que faz girar a engrenagem dos sonhos, contudo, além de recorrer aos meios para conseguir o seu objetivo, o ser humano necessita saber o propósito que se esconde por detrás dessa procura. Se o seu desejo for o de alcançar um projeto de vida, o mesmo desaparecerá no momento que obtiver a tal conquista. Todavia, se se tratar de um ideal humano, abre-se espaço para que o homem realize a si não, apenas, visando os seus interesses, mas estará convencido de que há algo no humano que está acima das suas próprias necessidades.

O indivíduo, ao pensar grande, pensa em si e também nos outros. A atitude resoluta de fazer bem ao seu semelhante, converge todos os seus esforços para a expressão da sua máxima potência.

O ideal do bem deverá ser construído com entusiasmo, como o próprio nome sugere (“en theos”) – que significa ter Deus dentro de si. Ao se aproximar do divino que existe em si, o homem concorda com as palavras de Jesus, quando disse:

” Vós sois deuses, podeis fazer tudo o que faço e muito mais.”

O homem utiliza uma mínima fração do seu máximo esforço, quaisquer que sejam as situações difíceis que lhe podem sobrevir, a sua capacidade de força e enfrentamento devem sempre prevalecer. O desenvolvimento de virtudes (derivada de “virtus”, o mesmo que força), ao longo da vida, confere significado à sua existência humana. Assim como  as plantas seguem a sua natureza e se tornam especialistas em fazer fotossíntese, o ser humano que está em comunhão com a sua verdadeira natureza, desempenha ações nobres, altruístas e comprometidas com o bem-estar alheio.

A conquista dos ideais humanos se fará pela vontade de seus atos. Onde há vontade, há também caminho.

Como você será lembrado pela humanidade após a sua partida? E quais são os rastros, hoje, que você está deixando no seu caminho?


Saulo de Oliva

Médico, psicólogo, educador. Especializado em Psiquiatria e Psicologia Analítica.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *