Psicologia

O que passa na mente de um esquizofrênico?

As doenças mentais tendem a despertar bastante curiosidade nas pessoas, pois parece ser difícil entender como elas acontecem e os motivos pelos quais surgem.

No Brasil estima-se que existam cerca de 1,6 milhão de esquizofrênicos; a cada ano cerca de 50.000 pessoas manifestam a doença pela primeira vez.

O número é surpreendente, não? Pois para a maioria das pessoas parece um problema distante, mas a verdade é que qualquer pessoa pode desenvolver a doença, e os sintomas costumam começar entre 16 e 30 anos de idade, sendo que em homens os sinais se apresentam normalmente mais cedo do que em mulheres. A doença raramente se manifesta na infância ou após os 45 anos.

A esquizofrenia é uma doença psiquiátrica caracterizada pela perda de contato com a realidade, nessa condição o indivíduo pode ficar preso em si mesmo, indiferente ao mundo que o rodeia e ter alucinações e delírios.

Os sintomas da esquizofrenia são frequentemente assustadores, afinal a pessoa pode ouvir vozes que outras pessoas não escutam, acreditar que estão lendo seus pensamentos, controlando sua mente ou fazendo planos para destruí-la, podendo a passar a ver o mundo como um inimigo.

Em suma a pessoa passa a ter alucinações, delírios e paranoias que se apresentarão através de crenças absurdas, medo de perseguição, porém ao contrário do que muitos pensam os pacientes raramente oferecem risco de violência contra outras pessoas.

A esquizofrenia ocorre no mundo todo, no entanto, as causas ainda não são conhecidas pelos médicos. Os cientistas estão pesquisando através de diversos aspectos, buscando entender desde os fatores genéticos, estruturas biológicas cerebrais até experiências de vida que possam provocar a doença.

Até o momento, podemos e devemos recorrer aos medicamentos e às intervenções terapêuticas de apoio, pois dessa forma é possível controlar os sintomas e diminuir o sofrimento. Entretanto, quando falamos no tratamento acabamos esbarrando em outros problemas como a desinformação e a falta de acesso. Muitas pessoas simplesmente não possuem acesso a um atendimento adequado, enquanto outras acabam abandonando o tratamento por falta de orientação e apoio. Existe ainda aqueles que desistem de tomar as medicações pelos seus efeitos colaterais desagradáveis.

Além disso, mesmo quando o tratamento é eficaz, existem consequências da doença que persistem… Sobretudo as sociais como a perda de oportunidades e o preconceito que podem trazer muito sofrimento e tornar a vida difícil para essas pessoas.

Infelizmente, pode ocorrer preconceito até mesmo entre os familiares, muitos não sabem lidar e estão desinformados sobre a realidade do problema, o que acaba gerando situações horríveis para o paciente.

Se você conhece alguém que sofre com uma doença mental, procure conhecer, tente tirar suas dúvidas, buscar informações para ajudar essa pessoa, afinal conhecimento nunca é demais e quando somos esclarecidos do assunto podemos ajudar com maior tranquilidade aquele que precisa.

Referências

  • Lucas Mantovani, Entendendo a Esquizofrenia (ABP Comunidade – Responsabilidade Social) Acessível em:  http://lucasmantovani.com.br/wp-content/uploads/entendendo-a-esquizofrenia.pdf

Veja também:

Jovem com esquizofrenia faz desenhos incríveis ilustrando sua realidade sombria
Depressão ansiosa: transtorno une tristeza e preocupação. 

 


Isadora Tabordes

Fundadora dos sites Vida em Equilíbrio e Demasiado Humano. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas. Atualmente é mestranda em Filosofia Moral e Política pela mesma universidade, trabalhando questões sobre o conceito de liberdade com ênfase no idealismo alemão.  Isadora também está presente no Youtube através do seu canal Relatos de Motocicleta.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *