Sem categoria

ALQUIMIA ALIMENTAR.

 

Ah, quanta magia pode haver num simples alimentar-se. Todos sabemos que a alimentação é necessidade básica para que nosso organismo funcione de forma correta. Mas não é só isso. A boa e saborosa alimentação pode nos aguçar os sentidos e deixar feliz a alma. É verdade quando dizem que comemos também, com os olhos. Sim, uma refeição bonita e elaborada pode, em segundos, nos abrir o apetite. E toda essa magia começa bem antes da apresentação do prato.

O preparo de um bom prato já começa a ganhar forma quando pensamos nele. É preciso reunir todos os ingredientes e fazer dessa mistura algo aprazível ao olfato, à visão e principalmente, ao paladar. E são tantas as possibilidades de combinações; doces, salgados, cozidos, refogados, assados …e por aí, vai. Há de haver uma perfeita interação entre todos os ingredientes. É preciso combinar texturas, cores e sabores. Uma pitada a mais de sal ou açúcar, pode desandar toda a receita. Há de se ter cuidado e paladar apurado. Cozinhar é uma arte. E nem todos possuem o dom da boa cozinha. Para tanto, não se faz necessário ter formação internacional em culinária ou ter frequentado um curso “Le Cordon Bleu”, da vida. É preciso, sim, doses generosas de boa vontade, carinho e sobretudo, muito amor. Afinal, quem não lembra da comidinha gostosa da vovó ou da mamãe? Quem não se lembra de como sabiam transformar um simples pudim de leite num verdadeiro “Manjar dos Deuses”?

Há pessoas que cozinham tão bem, que mesmo quando erram, acertam. O bolo solado, o arroz empapado, o feijão aguado, por incrível que pareça, tudo isso consegue ficar saboroso pelas mãos de quem sabe amar cozinhar. No entanto, por vezes, seguimos rigorosamente a receita e não conseguimos o resultado esperado. Qual seria, então, o segredo para um prato bonito e apetitoso? Não saberia responder com precisão mas posso garantir que alguns dos principais ingredientes encontram-se na alma daqueles que cozinham com as mãos e o coração.

Tive o privilégio de nascer, crescer e viver cercada por essas pessoas que trazem a magia nas mãos. As datas comemorativas eram deliciosamente celebradas com lindos e decorativos pratos que atendiam aos mais diversos gostos. Meus pais não eram muito de beijos e abraços…mas quanto carinho colocavam em nossas refeições. Sim, temos muitas maneiras de dizer: “Eu te amo”. Ainda hoje, depois de tantos anos, consigo acessar minha memória olfativa e lembrar de como era gostoso o cheirinho da broa de milho que vinha do forno…também, a torta de maçã, as rabanadas, no Natal…a bacalhoada, na Semana Santa, o bolo de chocolate, os risoles de camarão, as bolinhas de queijo, os bolinhos de chuva…hummmm…doces lembranças…

Elenice Bastos.


Elenice Bastos

Definir-se é limitar-se; alguns já disseram. Prefiro a indefinição do não limitar-se. Escolho deixar à critério das mentes generosas e habilidosas, o significado da minha existência na vida de cada um. Sou inconstante mas carrego valores imutáveis. Gosto dos contrastes; céu-mar, frio-quente, noite-dia, chuva-sol...Amo ler, escrever, viajar, noites de luar, um bom vinho, música e jardins floridos. Adoro o pôr e o nascer do sol, o arco-íris,os animais a vida. Viver é poder estar integrado mental e fisicamente com a maravilhosa "Mãe Natureza".

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *